Depressão na Infância existe?!

Depressão na Infância existe?!

Talvez podemos dizer que sim, mas também podemos dizer que é bem diferente da depressão da vida adulta. De zero a sete anos é um período em que as crianças estão expostas ao mundo. Certo?!

Pois bem! Ela não nasce com depressão, apesar de que a genética diz poder ter influência na sua vida adulta, segundo os pesquisadores. Mas vamos lá! Elas vão crescendo, vivendo, tendo novas experiências…tudo, tudo sendo registrado. Sabemos que algumas crianças demostram ter maior resiliências, outras precisam de mais suportes…….umas são mais fáceis e outras são mais difíceis, enfim…. vão somando tudo isso. Somam também os ambientes saudáveis em casa, escola, família, e os ambientes com muitas brigas, crises, gritos, displicências, abandono. As crianças vão somando todas essas experiências… aproveitem e reflitam sobre as suas experiências na infância. Lembram?!…Tudo isso sendo registrado, não é mesmo! Agora acrescentem também as emoções e os sentimentos. E aí? Como conseguir lidar com esse turbilhão de sensações?! Podem ver como os adultos têm um papel importante na vida delas?! É preciso que alguém ensine tudo isso a elas. Sabemos que algumas crianças conseguem passar tranquilamente por toda essa fase, mas outras não, não é fraqueza, é simplesmente porque
precisam de mais ajuda. Lembrando que cada criança é diferente da outra, umas lidam melhor e outras não, e está tudo bem!!

Como elas demostram tudo isso?! Através dos seus comportamentos. No caso da depressão, vamos observar o HUMOR, é por aí… o termômetro da criança quando algo não vai bem. Ela fica mais irritada do que o normal. Ela deixa de brincar com alguma coisa que ela sempre gostou. As notas da escola despencam de uma hora para a outra. Ficam desatentas mais do que o habitual. Se culpam o tempo todo. Não se sentem capazes em fazer nada. Demostram falta de energia, sendo que eram ativas. Dificuldade com o sono no momento atual. Falta de apetite,
mas sempre comeu muito bem. Mas tudo isso em uma escala contínua durante um longo, longo período para a possibilidade de ser diagnosticada como depressão, mas…que eu prefiro ver como uma grande tristeza, um pedido de ajuda, e com essa ajuda/apoio de especialistas vão conseguir lidar melhor com esse crescimento, com esse novo mundo, conseguindo sair dessa grande tristeza.

Por isso, estejam sempre muito atentos a mudanças de humor repentinas nas suas crianças. Não deixem de procurar por ajuda de especialistas. Todo acompanhamento precoce tem mais eficiência, podendo evitar maior sofrimento nas crianças e nas famílias. Lembrem-se de usarem o termômetro do humor!!

Meu nome é Andrea Mello/crp:06/127656, e meu trabalho é ajudar pais como vocês a
entenderem e desenvolverem, hoje, as crianças que serão o futuro do planeta.
“De zero a sete descomplicado, desenvolvendo filhos para o futuro”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *